GRÃO DE AREIA

Querida Mãe

Posted in Pessoal by Artemisa on 25 de Novembro de 2011

Hoje faz anos a mulher da minha vida 🙂 Só agora, que também o sou, consigo compreender as preocupações, as dores, os sorrisos e as alegrias de uma mãe ao cuidar, mimar e olhar para o seu filho. Criar e educar não é tarefa fácil, por isso, mais uma vez, obrigado minha querida mãe 😉 Amo-te muito! Um beijo!

Anúncios
Tagged with: ,

Meu Menino e Minha Menina

Posted in Pessoal by Artemisa on 17 de Outubro de 2011



Festa da Flor 2011 – “A Flor que eu Escolhi”

Posted in Notícias by Artemisa on 7 de Maio de 2011

“O tema “ A flor que eu escolhi “, dá o mote para as comemorações da Festa da Flor da Madeira, que, este ano, se celebra no auge da Primavera.

Desde sempre, as flores são uma característica fundamental da  paisagem da Madeira . O clima ameno da Ilha permite que, por todo o lado, desabroche uma variedade de flores que, naturalmente, encantam pela beleza que emanam e  pelo perfume que exalam.

É neste cenário único que, uma vez mais,  a cidade do Funchal  é  palco de um sumptuoso  espectáculo,  que se desenrola entre os dias 5 e 8 de Maio, em que a flor  protagoniza a sua mais importante representação.

O ponto alto é o Cortejo Alegórico da Flor, que acontece  no dia 8 de Maio, pelas 16 horas, com vários grupos, com mais de um milhar de figurantes, que, com trajes alusivos à flor  e ao som da música primorosamente escolhida , percorrem as principais artérias da cidade, acompanhados  de  fantásticos carros alegóricos, maravilhosamente decorados com muitas das  diferentes variedades de flores da Madeira.”

Para consultar o Programa da Festa da Flor, clique aqui.

Tagged with: ,

Mais um ano!

Posted in Pessoal by Artemisa on 22 de Fevereiro de 2011

Parabéns para mim! 🙂

Este foi, sem dúvida, o ano mais marcante da minha vida. Suponho que os que aí vêm serão ainda mais e espero que assim seja!

Obrigado à minha mãe e ao meu pai pelo que hoje sou, porque tudo o que sou a eles o devo.

 

 

Tagged with:

Para Além do Arco-Íris

Posted in Pessoal by Artemisa on 1 de Fevereiro de 2011

A aparência do arco-íris é causada pela dispersão da luz do sol que sofre refracção pelas (aproximadamente esféricas) gotas de chuva.

A luz sofre uma refracção inicial quando penetra na superfície da gota de chuva, dentro da gota ela é refletida e finalmente volta a sofrer refracção ao sair da gota. O efeito final é que a luz que entra é refletida numa grande variedade de ângulos, com a luz mais intensa a um ângulo de cerca de 40°–42°, independente do tamanho da gota. Desde que a água das gotas de chuva seja dispersiva, a grau que a luz solar retorna depende do comprimento de onda e da frequência, principalmente. A luz azul retorna num ângulo maior que a luz vermelha, mas devido à reflexão interna total da luz na gota de chuva, a luz vermelha aparece mais alta no céu, e forma a cor mais externa do arco-íris.

O arco-íris é uma ilusão de óptica cuja posição aparente depende da posição do observador. Todas as gotas de chuva refractam e reflectem a luz do sol da mesma forma, mas somente a luz de algumas delas chega até o olho do observador. Estas gotas são percebidas como o arco-íris para aquele observador. Sua posição é sempre na direcção oposta do sol com relação ao observador, e o interior é uma imagem aumentada do sol, que aparece ligeiramente menos brilhante que o exterior. O arco é centralizado com a sombra do observador, aparecendo num ângulo de aproximadamente 40°–42° com a linha entre a cabeça do observador e sua sombra (isto significa que se o sol está mais alto que 42° o arco-íris está abaixo do horizonte e o arco-íris não pode ser visto a menos que o observador esteja no topo de uma montanha noutro lugar de altura similar). Similarmente é difícil fotografar o arco completo, o que requer um ângulo de visão de 84°.

Podemos ver arco-íris de diferentes tamanhos porque, para estimar a sua largura, o nosso cérebro só tem como informação a dimensão do ângulo de visão que lhe corresponde. Se perto da imagem dele existirem objectos longínquos, como montanhas, o arco-íris parecerá maior. Se o arco-íris estiver perto de objectos menos distantes, parecerá menor. É fundamentalmente a mesma ilusão que faz com que a Lua, o Sol ou as constelações pareçam maiores quando estão perto do horizonte.

Algumas vezes, um segundo arco-íris mais fraco é visto fora do arco-íris principal, ele é devido a uma dupla reflexão da luz do sol nas gotas de chuva, e aparece em um ângulo de 50°–53°. Devido à reflexão extra, as cores do arco são invertidas quando comparadas com o arco-íris principal, com o azul no lado externo e o vermelho no interno. De um aeroplano é possível ter a oportunidade de ver o círculo completo do arco-íris, com a sombra do avião ao centro.

Aqui está um exemplo desta dupla reflexão… fim de tarde na Madeira, depois de alguma chuva!

Tagged with: ,

Os Números de 2010

Posted in Notícias by Artemisa on 2 de Janeiro de 2011

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Uau.

Números apetitosos

Imagem de destaque

Um navio de carga médio pode transportar cerca de 4.500 contentores. Este blog foi visitado 14,000 vezes em 2010. Se cada visita fosse um contentor, o seu blog enchia cerca de 3 navios.

Em 2010, escreveu 73 novos artigos, nada mau para o primeiro ano! Fez upload de 368 imagens, ocupando um total de 260mb. Isso equivale a cerca de 1 imagens por dia.

O seu dia mais activo do ano foi 11 de Novembro com 122 visitas. O artigo mais popular desse dia foi O Jarro, a mais bela das flores.

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram facebook.com, google.com.br, google.pt, mail.live.com e pt.wordpress.com

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por biodiversidade, metro lisboa, metro lisboa 2010, mapa metro lisboa 2010 e rede metro lisboa

Atracções em 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

O Jarro, a mais bela das flores Março, 2010

2

Rock in Rio – Lisboa 2010 Abril, 2010

3

2010 – Ano Internacional da Biodiversidade Abril, 2010

4

Erupção do Vulcão Eyjafjallajökull na Islândia Abril, 2010
2 comentários

5

Ilhas Selvagens Junho, 2010
2 comentários

Bom Ano

Posted in Pessoal by Artemisa on 2 de Janeiro de 2011

A todos desejo um bom ano de 2011. Temos tendência a fazer balanços e também a delinear “estratégias”, objectivos, metas no final do que consideramos ser o final de uma etapa. O final do ano, talvez seja a época do ano em que mais balanços se fazem, portanto que para todos estes sejam positivos e que os objectivos delineados para o ano novo sejam cumpridos.

Saúde, paz, amor, determinação, coragem, solidariedade e trabalho é o que vos desejo!

Bom Ano de 2011!!!

Tagged with: , ,

As Cores do Outono na Serra da Gardunha

Posted in Pessoal by Artemisa on 8 de Dezembro de 2010

Obrigado ao fotógrafo…o meu mano querido!

NATO/OTAN – Cimeira de Lisboa

Posted in Notícias by Artemisa on 30 de Novembro de 2010

Numa cimeira considerada histórica, os líderes de Estado e de Governo dos aliados da Aliança Atlântica, reuniram em Lisboa rodeados de um enorme e necessário esquema de segurança.

Novo Conceito Estratégico

O documento aprovado, com 11 páginas, diz que a NATO se mantém como uma aliança nuclear, que o princípio da defesa colectiva é o seu principal objectivo e que a organização vai continuar com a política de porta aberta a novos membros.

As principais linhas do novo conceito estratégico da NATO:

– Confirma o princípio de defesa colectiva. Esta permanece a primeira e maior responsabilidade da NATO;
– Afirma o compromisso com a prevenção de crises, a gestão de conflitos e a estabilização pós-conflito, trabalhando mais de perto com a ONU e UE;
– A Aliança mostra abertura a trabalhar com parceiros em todo o mundo;
– A NATO compromete-se com o objectivo de criar condições para um mundo livre de armas nucleares, mas ao mesmo tempo a NATO mantém-se como uma aliança nuclear;
“Enquanto existirem armas nucleares, a NATO permanece uma aliança nuclear”;
– O documento refere que a organização mantém a sua política de porta aberta a futuros membros;
– A Aliança compromete-se a fazer reformas e a tornar-se mais eficaz e flexível, para que os contribuintes tenham o máximo de segurança pelo dinheiro que investem em Defesa.

O documento identifica como ameaças da NATO:

– proliferação de mísseis balísticos e de armas nucleares;
– terrorismo e o uso de armas nucleares, biológicas e químicas por grupos extremistas;
– tráfico de armas, droga e de seres humanos;
– Ciber-ataques;
– ameaças à segurança energética e ao abastecimento energético;
– alterações climáticas, escassez de água, escassez energética;

No conceito estratégico os países da NATO aceitam a extensão de um sistema de defesa antimíssil às suas populações e territórios:

“Vamos desenvolver a capacidade de defender as nossas populações e territórios contra ataques com mísseis balísticos como um elemento central da nossa defesa colectiva, que contribui para a segurança indivisívil da Aliança. Vamos procurar activamente a cooperação da Rússia e de outros parceiros euro-atlânticos na defesa antimíssil” – Anders Fogh Rasmussen, Secretário geral da NATO

Anders Fogh Rasmussen , Secretário Geral da NATO

No capítulo das parcerias o conceito diz o seguinte sobre a Rússia:

“A cooperação NATO-Rússia é de importância estratégica porque contribui para a criação de um espaço de segurança comum, estabilidade e segurança. A NATO não é uma ameaça à Rússia. Pelo contrário: queremos ver uma verdadeira parceria estratégica entre a NATO e Rússia e agiremos em concordância, com a expectativa de que haja reciprocidade da parte da Rússia”.

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN ou NATO), por vezes chamada Aliança Atlântica, é uma organização internacional de colaboração militar estabelecida em 1949 em suporte do Tratado do Atlântico Norte assinado em Washington a 4 de Abril de 1949. A organização foi criada em 1949, no contexto da Guerra Fria, com o objectivo de constituir uma frente oposta ao bloco socialista, que, aliás, poucos anos depois lhe haveria de contrapor o Pacto de Varsóvia, aliança militar do leste europeu.

Desta forma, a OTAN tinha, na sua origem, um significado e um objectivo paralelos, no domínio político-militar, aos do Plano Marshall no domínio político-económico. Os estados signatários do tratado de 1949 estabeleceram um compromisso de cooperação estratégica em tempo de paz e contraíram uma obrigação de auxílio mútuo em caso de ataque a qualquer dos países-membros.

Com o desmoronamento do Bloco de Leste no final dos anos 1980, surgiu a necessidade de redefinição do papel da OTAN no contexto da nova ordem internacional, pois o motivo que deu origem ao aparecimento da organização e o objectivo que a norteou durante quatro décadas desapareceram subitamente.

A organização dedicou-se, pois, a esta nova tarefa, com o objectivo de se tornar o eixo da política de segurança de toda a Europa (isto, é considerando também os países que antes formavam o bloco adversário) e América do Norte. Assim, começou a tratar-se do alargamento a leste (considerando, nomeadamente, a adesão da Polónia, da Hungria e da República Checa) e, em 1997, criou-se o Conselho de Parceria Euro-Atlântica, um órgão consultivo e de coordenação onde têm também assento os países aliados da NATO, incluindo os países da Europa de Leste o que desagrada à Rússia ao ver afastar-se da sua esfera de influência.

Em Março de 1999, formalizou-se a adesão da Hungria, Polónia e da República Checa, três países do antigo Pacto de Varsóvia. Em Março de 2004 aderiram a Bulgária, Estónia, Letónia, Lituânia, Roménia, Eslováquia e a Eslovénia. No dia 1 de Abril de 2009 aderiram à Organização a Albânia e a Croácia.

Com a queda do Muro de Berlim e desintegração do Pacto de Varsóvia, foi criado o Conselho de Cooperação do Atlântico Norte (CCAN) na sede da OTAN em Setembro de 1991 como fórum para o debate e promoção das questões de segurança, quer para os membros da OTAN quer para os antigos adversários da Aliança. Após os ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001, foi criado, em Maio de 2002, o Conselho OTAN-Rússia. Este órgão, que substituiu o Conselho Conjunto Permanente, trabalha na base do consenso e inclui todos os membros da OTAN e a Rússia como parceiros em pé de igualdade.

Membros Fundadores

  • Bélgica, Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, França, Islândia, Itália, Luxemburgo, Noruega, Países Baixos, Portugal e Reino Unido (4 de Abril de 1949).
Adesões durante a Guerra Fria
  • Grécia e Turquia (18 de Fevereiro de 1952), Alemanha Ocidental (9 de Maio de 1955) e Espanha (30 de Maio de 1982).
Adesões de países do antigo bloco de leste
  • Alemanha Oriental (reunificada com a Alemanha Ocidental, 3 de Outubro de 1990), República Checa e Polónia (12 de Março de 1999), Bulgária, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Letónia, Lituânia e Roménia (29 de Março de 2004), Albânia e Croácia (1 de Abril de 2009).

██ Estados membros da OTAN ██ Países da Parceria para a Paz  ██ Países do Diálogo Mediterrâneo Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:NATO_Partners.png

Portugal na OTAN

“Portugal encara o ambiente estratégico em que se insere de acordo com os seus interesses, como resultado das responsabilidades decorrentes da condição de Nação alicerçada em 900 anos de História e tendo em conta as obrigações como Estado-membro das Nações Unidas, da União Europeia, da Organização do Tratado do Atlântico Norte e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama passa revista à Guarda de Honra do Presidente da República, Cavaco Silva

No domínio da Segurança e Defesa Portugal considera as Nações Unidas como fonte de legitimação de todas as intervenções militares e a União Europeia, a OTAN e a CPLP como espaços essenciais da nossa responsabilidade e acção. Portugal assume um total cometimento dos interesses e responsabilidades inerentes à convergência internacional para a Paz, Estabilidade e Desenvolvimento.
Nos anos mais recentes Portugal tem estado activamente envolvido nestes esforços, nomeadamente com o contributo das Forças Armadas. Esta situação é uma consequência do entendimento de que a Segurança e Defesa têm sido essenciais para manter o Bem-estar e o progresso das sociedades, sendo a Segurança um valor a construir tanto internamente como externamente. Neste quadro, assume especial significado a coexistência da manutenção do empenhamento das Forças Armadas, por um lado num quadro de Segurança Colectiva (Artigo 5º do Tratado da OTAN) e por outro, numa postura de Segurança Cooperativa com uma perspectiva global de intervenção baseada em modelos de comprehensive approach, focalizada na pessoa humana e agindo de modo coordenado e convergente pelo reforço das instituições com um forte envolvimento das Forças Armadas.”

 

Tagged with: , , , , ,

Intemporal

Posted in Pessoal by Artemisa on 22 de Novembro de 2010

Guerra Junqueiro

“Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta.

Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados na vida íntima, descambam na vida pública em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira à falsificação, da violência ao roubo, donde provém que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro.

Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do País.

A justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas. Dois partidos sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se malgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar.”

Guerra Junqueiro, “Pátria”, 1896