GRÃO DE AREIA

Nasceu a Primeira Célula Artificial

Posted in Notícias by Artemisa on 21 de Maio de 2010

Foi no J. Craig Venter Institute em Rockville, Maryland, e San Diego, California nos Estados Unidos que nasceu hoje a primeira célula completamente sintética. É a primeira vez que um cientista cria uma forma de vida sintética, cujo material genético provém de quatro produtos químicos.

Após 15 anos de investigação, Craig Venter e a sua equipa conseguiram fabricar em laboratório as unidades básicas do ADN de uma bactéria (Mycoplasma mycoides) e introduzir esse material sintético numa outra célula receptora de espécie diferente (Mycoplasma capricolum). Sem qualquer vestígio genético anterior, formou-se na célula receptora a nova espécie em poucos segundos. Depois da descodificação do genoma humano, há dez anos, a descoberta de Craig Venter volta a levantar questões éticas e filosóficas em torno do conhecimento científico. Se for possível, devemos nós melhorar o nosso código genético?

Entre a comunidade científica as reacções dividem-se. Há cientistas que reconhecem a proeza técnica de sintetizar a maior parte do ADN e chegar à precisão suficiente que permite substituir o próprio ADN da célula. Mas, por outro lado, há implicações no campo da Biologia com vantagens indiscutíveis. A mesma técnica de laboratório pode ser usada para fazer combustíveis limpos, para tornar a água potável ou acelerar a produção de medicamentos,  desenvolver algas capazes de capturar CO2 e convertê-lo em hidrocarbonetos que podem ser processados nas refinarias. As possibilidades são infinitas…

Lado a lado com a ciência anda a religião que não tardou em dar a sua opinião na matéria. A Igreja Católica manifestou a sua perplexidade e inquietude perante o anúncio que abre caminho à fabricação de organismos artificiais.

“O Homem vem de Deus mas não é Deus: continua a ser humano, a quem é possibilitado criar vida através da procriação e não mediante a criação artificial” (Bispo Domenico Mogavero).

Ética, Moral e Ciência novamente a dividir opiniões e o básico vem ao de cima, se for usado da forma correcta será muito bom, caso contrário, entramos nas fronteiras do perigoso. Não será fácil estabelecer as fronteiras…

Gibson, D. G., J. I. Glass, C. Lartigue, V. N. Noskov, R.-Y. Chuang, M. A. Algire, G. A. Benders, M. G. Montague, L. Ma, TM M. M. Moodie, C. Merryman, S. Vashee, R. Krishnakumar, N. Assad-Garcia, C. Andrews-Pfannkoch, E. A. Denisova, L. Young, Z.-Q. Qi, T. H. Segall-Shapiro, C. H. Calvey, P. P. Parmar, C. A. Hutchison III, H. O. Smith, and J. C. Venter. 2010. Creation of a bacterial cell controlled by a chemically synthesized genome. Science, Published online May 20 2010.

Para ler o artigo original publicado na revista Science, clique aqui.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: